O meu coração é indiferente ao destino da minha cabeça.

Morrerei, sim, morrerei. Perdoa tu ao meu destino…Perdi-te….Bem sabes que sorte eu queria dar-te…e morro,porque não posso, nem poderei jamais, resgatar-te. Se podes, vive, não te peço que morras, Simão, quero que vivas para me chorares. Consolar-te-á o meu espírito…Estou tranquila. Vejo a aurora da paz…Adeus até ao Céu, Simão.

Camilo Castelo Branco. Amor de Perdição

”(…) felicito-me por te julgar desasombrado do diabólico presígio do maldito que acordou o teu inocente coraçao.”

”(…) felicito-me por te julgar desasombrado do diabólico presígio do maldito que acordou o teu inocente coraçao.”

O que você tem, todo mundo pode ter… Mas o que você é, ah, isso ninguém pode ser.

Clarice Lispector

(Source: suscitar)